9.03.2014

02/09/2014 Discurso de Arnaldo Faria de Sá

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sem redação final
Sessão: 217.4.54.OHora: 19h54Fase: BC
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁData: 02/09/2014


O SR. PRESIDENTE (Simão Sessim) - Convido o Deputado Arnaldo Faria de Sá. S.Exa. dispõe de 3 minutos.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Parlamentares, vamos aguardar para que tenhamos quórum e tentar, sem dúvida nenhuma, votar matéria extremamente importante,que diz respeito aos aposentados por invalidez, a PEC nº 170.
Aliás, vim aqui a esta sessão só com essa finalidade, para garantir essa votação, que é de extrema importância. Os aposentados por invalidez perderam a integralidade, perderam a paridade e, acima de tudo, perderam a condição de viver, desde 2003, por causa da reforma da Previdência do Governo Lula. E todos sabemos o que aconteceu com aquela reforma, reforma cheia de suspeição, os aposentados por invalidez foram prejudicados tremendamente.
Também queremos garantir, Sr. Presidente, a votação da PEC nº 555, aquela que acaba com a contribuição previdenciária dos servidores públicos que, aposentados, voltam a pagar. Pagar para quê? Pagar para nada.
E já foram até ao Supremo Tribunal Federal aguardando uma correção dessa distorção, mas infelizmente não tiveram guarida; também foi criada aquela reforma maldita no início do Governo Lula.
Queremos também garantir, Sr. Presidente, a votação do Projeto de Lei nº 4.434, que trata da recuperação das perdas de aposentados e pensionistas. É duro, Sr. Presidente, andar pelos quatro cantos do Estado de São Paulo e ouvir esta reclamação: Meu salário está caindo, meu salário está baixando. Todo dia, toda hora éessa ladainha. E eles têm razão, Sr. Presidente, precisamos encontrar uma saída e uma solução.
Aliás, recentemente, foi informado pelo Banco Central que, num banco privado, foi encontrada uma conta com 4 bilhões de reais perdidos, que eram da Previdência Social. Certamente, deve haver outros valores como esse.
Queremos também votar, Sr. Presidente, o 3.299, aquele que altera esse maldito fator previdenciário. Ainda hoje, recebi no meu e-mail uma reclamação de alguém que se aposentou com perda de 35% no valor do seu benefício. Aguardamos com ansiedade que o Supremo Tribunal Federal possa votar a desaposentação, porque aí, com mais tempo de trabalho, com mais idade, o prejuízo poderá ser menor.
Aguardamos, também, por parte do Supremo Tribunal Federal, a decisão da ADIN proposta pela FENEME — Federação Nacional de Entidades de Oficiais Militares Estaduais, que quer considerar inconstitucional a Lei das Guardas Comunitárias. Um absurdo essa proposta, já que esse projeto foi discutido por todos e é um projeto elaborado em conjunto com a Secretaria Nacional de Segurança Pública — SENASP. Queria, aqui, cumprimentar Regina Miki, que é sua Presidente.
Sr. Presidente, temos muita coisa para votar, nós precisamos dar respostas à sociedade, a cobrança é bastante grande. Esperamos que a gente possa dar respostas a essa sociedade, votando hoje, pelo menos, a PEC nº 170, garantindo essa condição para todos os aposentados por invalidez que têm um grande prejuízo.
O SR. PRESIDENTE (Simão Sessim) - Obrigado, Deputado Arnaldo Faria de Sá.

02/09/2014 Discurso de Arnaldo Faria de Sá

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sem redação final
Sessão: 217.4.54.OHora: 18h44Fase: BC
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁData: 02/09/2014


O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, agradeço a manifestação do Deputado Florence e desejo dar como lida uma homenagem que faço ao Pe. Edmundo, da Paróquia São Luiz Gonzaga, em São Paulo.
O SR. PRESIDENTE (Simão Sessim) - V.Exa. será atendido.

PRONUNCIAMENTO ENCAMINHADO PELO ORADOR
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, assomo à Tribuna desta Casa para fazer um importante registro que éa trajetória do Padre Edmundo da Mata. Nascido em 15 de fevereiro de 1935, tornou-se padre em 08 de dezembro de 1963. Está atualmente na Igreja São Luís, Jardim, desde 25 de outubro de 1964.
Uma vida inteira construída com muito amor, dedicação e entrega total a Deus. Em 50 anos, muitas coisas mudam na vida, no trabalho, na cidade, no estado, no país e no mundo. Mas, o que não mudou nas últimas cinco décadas, foi padre Edmundo da Mata, que neste sábado (07/12) completou seu Jubileu de Ouro sacerdotal. Praticamente o mesmo período, ele tem à frente da paróquia São Luiz, localizada no bairro de mesmo nome.
Aqui não tinha nada, era mato e ficava muito longe de tudo. No começo foi muito difícil, mas aos poucos, a comunidade foi se acostumando com a minha personalidade e fomos conseguindo muitas coisas para o bairro, lembra padre Edmundo.
Para marcar essa data tão importante, foi celebrada uma Missa de Ação de Graças presidida pelo bispo emérito de Campo Limpo, Dom Emilio Pignoli e concelebrada por vários sacerdotes, entre eles Monsenhor Aguinaldo de Carvalho – que no último dia três comemorou 25 anos de ordenação sacerdotal – e padre Alberto Gambarini – que neste domingo (08/12), celebra 35 anos de ordenação.
A igreja ficou lotada de fiéis, amigos e parentes de padre Edmundo. Muitos acompanharam de perto todo o trabalho que foi desenvolvido pelo sacerdote durante os anos que está à frente da paróquia. Procuramos fazer um trabalho de evangelização desde pequeno, com a catequese e apontamos qual é o caminho certo.
No momento de Ação de Graças foi apresentado um vídeo com a trajetória de vida do padre Edmundo, trazendo muita emoção, tanto para o sacerdote como para os fiéis. Em seguida, enquanto pronunciava algumas palavras de agradecimento, ele foi presenteado com uma Benção Apostólica do Papa Francisco, vinda do Vaticano, uma túnica e uma camiseta do São Paulo F.C., seu time de coração.
Ao final da celebração, o aniversariante recebeu os cumprimentos na porta da igreja. Na próxima edição da revista Vida e Missão, você terá uma reportagem completa sobre os 50 anos de sacerdócio do padre Edmundo da Mata.

02/09/2014 Discurso de Arnaldo Faria de Sá

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Sem redação final
Sessão: 217.4.54.OHora: 18h40Fase: BC
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁData: 02/09/2014


O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Sr. Presidente, peço a palavra para uma questão de ordem.
O SR. PRESIDENTE (Simão Sessim) - Tem V.Exa. a palavra.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Questão de ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, eu aguardei a abertura da sessão e apresentei a V.Exa. o requerimento de inversão de pauta para a votação das PECs, entre elas a PEC 170, que trata da aposentadoria por invalidez. Portanto, eu queria garantir que esse requerimento fosse apreciado e pedir a V.Exa. autorização para fazer o encaminhamento dele.
Ainda que a sessão de hoje, na sua parte principal, tenha sido dedicada ao nosso Governador Eduardo Campos e ao Pedrinho Valadares, a partir de agora, nós estamos aqui para aquilo que fomos convocados: votar o PL nº 3.299,de 2008, que trata da questão do fator previdenciário; o PL 4.434, de 2008, que trata da questão da perda dos aposentados e pensionistas; a PEC 555. E queremos votar a PEC 170, pois é aquela que está dentro da previsibilidade, está na pauta. Nós queremos que ela passe à frente, porque, do contrário, nós chegaremos ao final deste ano sem votar essa PEC extremamente importante.
O SR. PRESIDENTE (Simão Sessim) - Deputado Arnaldo Faria de Sá, a sua questão de ordem estádeferida. V.Exa. terá o seu requerimento apreciado na hora certa; vai seguir a tramitação normal.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Obrigado, Sr. Presidente.