2.08.2013

09/02/2013 Aposentadoria - Novas regras entram em vigor

Brasília - Os servidores públicos que tomarem posse a partir de agora ficam sem o direito da aposentadoria integral. Entraram em vigor ontem as regras do FUNPRESP Fundo de Previdência Complementar do Servidor Público.
A Previdência Social só pagará, no máximo R$ 4,1 mil por mês. Para conseguir uma aposentadoria maior, o servidores, precisará, além d econtinuar contribuindo com 11% de sua remuneração (em torno de R$ 457,00), aderir ao fundo com o pagamento de até 8,5% do salário sobre o que execeder o teto. O Governo pagará uma contrapartida do mesmo percentual escolhido pelo funcionário público. A previsão é de que 10 mil servidores façam a adesão ao fundo este ano.
A criação do FUNPRESP foi aprovada pelo Congresso em março do ano passado e segue o modelo adotado na iniciativa privada.A proposta espera reduzir o déficit (?) da previdência - diferença entre a arrecadação e as despesas com benefícios, que fechou no ano passado em R$ 42,3 bilhões. "Desta forma, o governo será desonerado" para investir em outras áreas "fundamentais", defendeu a Mírian Belchior. A meta do governo é manter o valor na casa dos R$ 25 bilhões até 2030.
Nenhum servidor público contratado antes de 1.º de fevereiro de 2013 e os miliatres e os servidores públicos do Distrito Federal, que recebem pela União, serão afetados pela mudança.

FONTE JORNAL METRO DF   

08/02/2013

A nova tábua de longevidade, divulgada semana passada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), revela que os brasileiros estão vivendo menos. A longevidade caiu, pelas contas do IBGE, em 83 dias.
Do ponto de vista do seguro previdenciário, quem se aposentar a partir de agora contará com alguns reais a mais no valor do benefício. Algo em torno de R$ 15,00 – que darão para comprar, no máximo, dois quilos de carne bovina de segunda.
Foi a primeira vez, nos últimos dez anos, que o Fator Previdenciário não prejudicou os trabalhadores em vias de se aposentar, motivo insuficiente para arrefecer a luta pela extinção desse critério nefasto de cálculo do valor das aposentadorias no Brasil.

05/02/2013

CÂMARA DOS DEPUTADOS - DETAQ

Com redação final
Sessão: 001.3.54.O Hora: 16:06 Fase: PE
Orador: ARNALDO FARIA DE SÁ Data: 05/02/2013




O SR. PRESIDENTE (Inocêncio Oliveira) - Concedo a palavra, para uma breve intervenção, ao ilustre Deputado Arnaldo Faria de Sá.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (Bloco/PTB-SP. Sem revisão do orador.) - Muito obrigado, Sr. Presidente. Quero registrar manifesto da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná, que cobra o imediato cumprimento da lei que regulamenta o exercício da profissão de motoristas. Há muita gente boicotando, atrapalhando, colocando em risco a vida dos nossos caminhoneiros.
Quero deixar registrada também a letra da Associação Brasileira dos Clubes da Melhor Idade para o carnaval de 2013, Lembranças da mocidade, lançada num importante evento em que estive presente, no último domingo, lá em São Paulo, e cobrar das Lideranças da Casa que não pode ser votado o Orçamento enquanto não for garantido aumento para os aposentados que ganham mais de 1 salário-mínimo. Nossos cumprimentos à Dona Odete Moralez, Coordenadora do Clube da Melhor Idade, Sra. Angela, Secretária da Coordenação e o amigo Hélio, Coordenador Municipal do Idoso.
É lamentável que se diga que o aumento para repor a inflação é suficiente para os aposentados. É insuficiente! Aqueles que dizem isso devem ser filhos de chocadeira. Não devem ter pai nem mãe, porque é difícil para o aposentado, para quem a inflação é maior do que a inflação normal.
Espero que, ao não votar o Orçamento de hoje, nós criemos condições de poder votar oportunamente outras coisas.
(O microfone é desligado.)
DOCUMENTOS A QUE SE REFERE O ORADOR


inserir documentos