5.20.2008

20/05/2008 Arnaldo Faria de Sá contrariedade contra a não extensão do índice de aumento do SM aos Aposentados e Pensionistas

O SR. PRESIDENTE (Narcio Rodrigues) - Próximo orador, ilustre Deputado Vitor Penido.(Pausa.)Arnaldo Faria de Sá, pela ordem.

O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Parlamentares, desta tribuna, quero cumprimentar o Deputado Cleber Verde por ter, ontem, aqui na Câmara dos Deputados, lançado uma frente de defesa de aposentados e pensionistas. S.Exa. contará sempre com o nosso apoio. A situação dos aposentados e pensionistas é extremamente preocupante. Vimos, na votação da medida provisória do salário mínimo, a vergonha que foi este Plenário não acompanhar aquele encaminhamento que podia salvar as emendas que davam o reajuste para aposentados e pensionistas igual ao do salário mínimo.É muito fácil para nós outros criticarmos o Executivo quando faz isso, mas, quando a matéria vem para esta Casa, esta também tem que dar a resposta. E, lamentavelmente, a culpa neste momento é desta Casa, que não aprovou o nosso encaminhamento no sentidode derrubar a admissibilidade das emendas. Se as emendas tivessem sido acatadas, o mesmo percentual poderia ser estendido a aposentados e pensionistas.A situação dos aposentados é cada vez mais preocupante. Quando esta Casa acordar, talvez seja tarde, porque, na verdade, os aposentados e pensionistas não agüentam mais essa redução drástica dos seus vencimentos a cada novo ano. Recuperar o salário mínimo é muito justo, mas é preciso recuperar também as aposentadorias e as pensões, que estão em um estado degradante. A solução para o aposentado acaba sendo socorrer-se desse maldito empréstimo consignado, que não resolve, e vai simplesmente diminuir a sua condição. Quando precisa de um atendimento médico ou farmacêutico, o aposentado não encontra nessa barafunda, que é o tratamento de saúde. Não tem Geriatria, não tem Gerontologia, não tem disponibilidade de medicamentos para hipertensão, para diabete, medicamentos necessários para a manutenção do estado de saúde de um aposentado, de uma pensionista.É uma vergonha que esta Casa não se dê conta daquilo que está acontecendo. Será que os Srs. Parlamentares não têm pai e não têm mãe? Acho que devem ter, porque não são filhos de chocadeira. Portanto, épreciso que todos acordem para essa realidade. A situação dos aposentados é desesperadora. É duro.Estive esta semana na Associação de Aposentados e Pensionistas de Campo Limpo Paulista, e todos reclamavam da alta defasagem de seus benefícios. Eles ainda vão para a Justiça, mas o processo passa 5, 6, 7, 8, 10, 15, 20 anos, e, quando sai o direito de eles receberem, eles já morreram e não têm possibilidade de desfrutar daquilo que é justo.Quero chamar a atenção desta Casa. A responsabilidade é muito mais nossa do que do Executivo. Ou vai acontecer como aconteceu no Chile, que agora foi obrigado a criar um benefício assistencial, porque os chilenos não estão conseguindo se aposentar, e um benefício complementar, porque aqueles que se aposentam recebem muito pouco.Aquele que era o grande exemplo de liberalismo, que era a reforma da Previdência chilena, está no buraco, no chinelo. E nós estamos caminhando para a mesma situação. Daqui a pouco, todo mundo estará recebendo apenas 1 salário mínimo: quem nunca contribuiu receberá 1 salário mínimo; quem contribui também receberá 1 salário mínimo. Dessa irresponsabilidade esta Casa tem culpa, Sr. Presidente.

18/05/2008 Arnaldo Faria de Sá - Cotado para assumir vaga

JORNAL A TARDE
Alckmin nega desvantagem de tempo na TV
Agencia Estado
O ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, disse que o tempo de cerca de cinco minutos que deverá ter para sua campanha na TV durante as eleições é mais do que suficiente para fazer de sua candidatura vitoriosa. O espaço é metade do que terá o prefeito e candidato à reeleição, Gilberto Kassab (DEM). Vamos ter um tempo mais do que suficiente, afirmou Alckmin, um dia depois da confirmação da aliança com o PTB. Em entrevista à Rádio Eldorado, o ex-governador não considerou uma ameaça o fato de Kassab ter assegurado quase o dobro do seu tempo. Com o apoio do PMDB, PR e PV, o prefeito garantiu cerca de 10 minutos de propaganda eleitoral na campanha deste ano. ?Política não é só marketing. Televisão é importante, claro. Mas campanha não é só isso. Campanha é rua. Eu vou pra rua falar com a população, conversar com as pessoas.?Ele disse ainda que o número reduzido de aliados não significa que sairá em desvantagem na corrida pela prefeitura. ?Que eu saiba eu estou à frente nas pesquisas?, ironizou. Na segunda-feira, Alckmin anuncia oficialmente a aliança com o PTB e o PSDC.ViceO nome do candidato a vice - que virá do PTB - ainda está indefinido. O ex-governador explicou que a questão será definida em junho. Um dos nomes cogitados é o do deputado estadual Campos Machado (PTB), que foi vice de Alckmin na eleição de 2000 à prefeitura. Eu gosto muito do Campos Machado, mas essa não é uma decisão minha. Além dele, está cotado para a vaga o deputado Arnaldo Faria de Sá (SP). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

18/05/2008 Sindicalistas discutem fim do Fator Previdenciário em Brasília

Sindicalistas discutem fim do Fator Previdenciário em Brasília
Jornal AGORA MS

Sindicalistas de todo o Brasil participam hoje em Brasília do Encontro Nacional do Fórum Sindical dos Trabalhadores – FST. De Mato Grosso do Sul participam 98 sindicalistas de diversos municípios do Estado, entre eles, de Campo Grande, Dourados, Três Lagoas, Paranaíba, Ponta Porá e Corumbá. No encontro, que começa daqui a pouco, às 10 horas, serão discutidos diversos assuntos, entre eles o fim do fator previdenciário que reduz o valor das aposentadorias em até 40%.

O presidente da Federação dos Trabalhadores no Comércio de Mato Grosso do Sul, Idelmar da Mota Lima, membro do FST/MS, disse que o encontro, que reúne mais de 2.000 sindicalistas de todo o País, servirá para demonstrar força para o governo do presidente Lula para que ele não vete o fim do fator previdenciário já aprovado pela Câmara Federal e que já está no Senado para apreciação. “Temos exercido uma força muito grande junto aos senadores para conscientizá-los de que o fator previdenciário,instituído no governo de Fernando Henrique Cardoso, é prejudicial a todos os aposentados brasileiros. Não temos dúvida de que iremos conseguir derrubá-lo”, comentou Idelmar.

O sindicalista explicou também que muitos trabalhadores com tempo de trabalho que permitem que sejam aposentados, se recusam a faze-lo enquanto perdurar o fator previdenciário, pois sua aposentadoria seria reduzida em até 40%, desestimulando qualquer trabalhador de se aposentar agora.

O diretor da CNTC (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio) e coordenador geral do FST/MS, José Lucas da Silva, também está presente no encontro que termina às 18 horas desta terça-feira.

O evento , segundo José Augusto da Silva Filho, coordenador nacional do FST, a ser realizado na Academia de Tênis de Brasília e contou com a presença de autoridades como o deputado federal Arnaldo Faria de Sá , que falará sobre Previdência Social, Fundos e Pensões.

18/05/2008 Faria de Sá: "É preciso preparar empresários e qualificar mão de obra"

Faria de Sá: "É preciso preparar empresários e qualificar mão de obra"

INFORMATIVO DA LIDERANÇA DO PTB

Crédito: Aristides Morais Cardoso

O Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) divulgou, no Plenário, que esteve, na última semana, no Fórum de Debates Político e Empresarial da ADVB-SP (Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil) que homenageou Paulo Okamotto, Presidente Nacional do SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.
Segundo o Deputado, a ADVB – SP, Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil, é hoje uma referência para a gestão empresarial, fornecendo ferramentas que auxiliam o desenvolvimento das estratégias de marketing, vendas, recursos humanos, responsabilidade social e meio ambiente. “Isto sem falar na constante preocupação em debater e trazer á tona assunto relacionados à economia e política brasileiras”.
“O Brasil foi incluído na lista dos países mais cotados para investimento, mas para que possamos aproveitar a oportunidade é preciso preparar os empresários e qualificar a mão-de-obra. O setor só poderá crescer com a parceria de entidades como sindicatos, federações, confederações e associações, com a finalidade de orientar na educação profissional do empreendedor”, afirmou.
“Aproximadamente 98% das empresas formais no Brasil são pequenas e micro, mas, apesar do índice alto e dos avanços em termos de sustentabilidade do negócio, o setor ainda carece de apoio e investimento. Há pouco tempo, de cada dez pequenas empresas abertas cinco fechavam em menos de um ano. Hoje, graças aos esforços de pesquisa e serviços de apoio empresarial, o panorama mudou”, disse Arnaldo Faria de Sá.
O Deputado lembrou outros fatores que contribuíram para a elevação no índice de novos negócios: “Antes, a carga tributária era elevada e a legislação não favorecia às micro e pequenas empresas. Depois de muita mobilização na Frente Parlamentar, a situação foi revertida permitindo inclusive a exportação, mas não basta a lei existir, é preciso divulgar as possibilidades de um pequeno negócio”.
“A ADVB promove cursos dentre os quais: Curso Gestão de Venda I: Supervisão de Equipes de Venda, cujo objetivo visa a atingir o desenvolvimento de habilidades e atitudes profissionais que criem a base de liderança de um supervisor de vendas. Curso Técnicas de Negociação e Venda, destinado a vendedores e outros profissionais ligados à vendas e que precisam negociar com clientes e pessoas de diversas áreas da própria empresa, Curso de Venda Avançada, destinado a profissionais com experiência e prática que vejam na aprendizagem continuada o caminho para seu sucesso dentro da empresa”, concluiu o Parlamentar petebista.