2.27.2008

26/02/2008 - Movimento de Mulheres do Jardim Comercial

O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, o álcool e as drogas, que consumiam a vida de muitas mães de seus alunos, foram o motivo para as irmãs Mirtes e Marly de Souza fundarem, há 21 anos, o Movimento de Mulheres do Jardim Comercial, bairro próximo do Capão Redondo, na periferia de São Paulo. Na primeira semana, eram dez mulheres, depois de um mês, 100, costurando à luz de velas, porque a energia elétrica era muito cara. "Em um ano passaram a 1.000 e hoje atendemos a 3.000 mulheres, sem ajuda de nenhum órgão público ou privado", conta Mirtes Izabete de Souza, a presidente do movimento, realizada porque ajudou a livrar as dependentes de seus vícios. Graças a esse trabalho de formiguinha, mulheres que antes não tinham a menor perspectiva de obter renda agora ensinam outras a tirar seu sustento do artesanato em tecido. Elas bordam histórias, criam livros e jogos caprichados e coloridos. E eles já estão povoando escolas na Inglaterra e estiveram num pavilhão de artesanato brasileiro na França, em dezembro. A produção de livros chega a 200 unidades/mês e a de jogos, a 300. Os brinquedos do grupo são comercializados em feiras e bazares e eventualmente vendidos por encomendas para empresas. Todos os domingos também é possível encontrar representantes da ONG em barraquinhas montadas em feiras artesanais de dois shoppings em São Paulo: no Center 3 e no D&D. Além dos brinquedos, marcadores de livros, cartões de Natal em tecido e trabalhos em patchwork compõem a linha de criação do grupo, que está aberto a doações de algodão cru, manta acrílica, linhas para bordar, renda e aviamentos em geral. É com satisfação e alegria que faço esse registro. Sr. Presidente, a Sra. Mirtes, da Associação das Mulheres do Jardim Comercial, é uma lutadora incansável no sentido de atender aquela comunidade. Vamos ajudá-la no sentido de fazer com que seu pleito seja atendido junto às autoridades competentes.
Obrigado, Sr. Presidente.

26/02/2008 Inauguração da Igreja Nossa Senhora do Rosário - Caieiras

O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ - Sr. Presidente, peço a palavra pela ordem.
O SR. PRESIDENTE (Arlindo Chinaglia) - Tem V.Exa. a palavra.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, foi inaugurada no último domingo, dia 24 de fevereiro, a Igreja Nossa Senhora do Rosário, em Caieiras, no Seminário São Tomás de Aquino. É um trabalho muito importante dos Arautos do Evangelho, do Reverendo João Scognamiglio Clá Dias, Presidente Geral. A celebração litúrgica contou com a presença do Cardeal Franc Rodé, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedade de Vida Apostólica. Foram celebrantes o Emmo Cardeal Dom Pedro Odilo Shrerer, Arcebispo de São Paulo, Dom José Maria Pinheiro, Bispo Diocesano de Bragança Paulista e o Padre João Scognamilgio Clá Dias, numa cerimônia muito bonita realizada domingo. Estamos aqui cumprimentando-os pela inauguração da igreja de Nossa Senhora do Rosário, um brilhante templo na cidade de Caieiras. É com satisfação e alegria que faço esse registro.
Obrigado, Sr. Presidente.
(O rito da Dedicação da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, a que se refere o Deputado Arnaldo Faria de Sá, encontra-se na Coordenação de Arquivo do Centro de Documentação e Informação da Câmara dos Deputados, conforme Memorando nº 011, emitido pelo Departamento de Taquigrafia, Revisão e Redação — art. 98, § 3º, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados.)